terça-feira, 22 de março de 2011

ferrenho

Acorda. Respira. Não, inspira, e com força, para sentir nos pulmões o ar que antes os preenchia com o perfume que ela costumava usar para disfarçar o cheiro dos cigarros. Não sente nada. Ela se foi — e levou com ela a sanidade.
Agora anda com os olhos saltados de insensatez, o estômago vazio, os braços descobertos indiferentes à temperatura, o sangue cheio de álcalis, querosene, ácido sulfúrico e aguardente — e suicídio.

Mas suas botas ainda não deixaram o concreto.

3 comentários:

  1. Gostei de você ter voltado a escrever. Bom texto, aliás!

    ResponderExcluir
  2. Outra vez, relato. Triste relato...

    Ultimamente só essas coisinhas bem "inhas" mesmo...

    ResponderExcluir